Artigos Mods PC

DayZ: A Evolução De Um Mod (Parte 2)

DayZ: A Evolução De Um Mod (Parte 2)

Se tu és um gamer de PC e ainda não ouviste falar sobre DayZ, então considera-te de facto uma pessoa muito mal informada porque este mod para o Arma 2 é a grande sensação que mais tem dado que falar no PC.

A boa notícia é que desde o meu último artigo o “mod” sofreu vários upgrades e como consequência disso a experiência foi melhorada. Ao contrário do que acontecia no passado, já não é possível encher o cantil com água do mar, agora só mesmo em poças ou reservatórios de água; recentemente foram introduzidas armas para o combate corpo-a-corpo e o jogo tornou-se ainda mais cruel para os sobreviventes que começam sem uma arma e com muito pouco equipamento.

Pois é, são muitas as novidades, umas melhores do que outras mas globalmente parece que o jogo só sai beneficiado com elas. Um dos grandes riscos nesta altura é tornar o jogo tão difícil, mas tão difícil que rapidamente acabe por perder a piada. O facto de começarmos ainda mais “despidos” do que é habitual de certeza que não vai agradar alguns gamers e pelas horas que eu já joguei DayZ acho que não traz assim tantos benefícios. Talvez os novos jogadores sejam abatidos menos vezes por outros jogadores porque já não têm equipamento apetecível, apesar de eu ter sérias dúvidas de que isso resulte assim. Parece que este aspecto da dificuldade aumentou mais porque sim do que por outra razão qualquer, o que talvez não seja uma boa ideia.

Não me interpretem mal, eu sou todo a favor de dificuldade e experiências realistas nos videojogos, contudo quando as armas são retiradas e o jogador depara-se com uma situação em que necessita de lutar corpo-a-corpo num motor gráfico que está longe de ser brilhante nesse aspecto, acho que não se ganha muito com isso.

Apesar de tudo não é complicado encontrar mantimentos, até porque eles estão espalhados um pouco por todo o lado desde que se saiba procurar. Na desvantagem óbvia de não começarmos com uma arma a exploração de locais com zombies pode tornar-se também ela mais difícil, mas por outro lado agora já é possível fugirmos dos zombies com sucesso ou escondermo-nos deles, apesar de eu pessoalmente ainda não ter testado bem esta parte.

A verdade é que foi introduzido um grande número de novidades nas últimas semanas, são tantas que o melhor é consultarem-nas no website oficial. Numa fase “alpha” os gamers não se podem queixar, os loadings foram reduzidos e entrar num servidor já não implica aqueles longos e tortuosos minutos de espera.

Para quem pretende começar a jogar DayZ, não se esqueça de adquirir o ARMA II: Combined Operations e correr pelo menos uma vez o Arma 2 e o Operation Arrowhead antes de proceder à instalação do “mod“. A melhor ferramenta no mercado para o fazerem chama-se Six Updater Suite que não só vos irá permitir instalar o DayZ automaticamente como facilita muito o processo de atualização.

No que diz respeito ao futuro deste “mod“, as perspectivas são boas, cada vez mais jogadores que se juntam à comunidade e será uma questão de tempo até que das duas uma:

  • ou DayZ permanece um mod e continua a melhorar e a crescer;
  • ou eventualmente os criadores realizam um contrato com uma editora e criam o seu próprio jogo.

Seja qual for a escolha o que é certo é que DayZ tem futuro e é neste momento uma das experiências mais inovadoras e envolventes disponível no mundo dos videojogos.

DICA PRO: Não confies em ninguém e vê o vídeo de baixo para perceberes porquê:

Marcio Olival

Marcio Olival

Editor em Gaming Portugal
O Márcio é uma das forças editoriais da Gaming Portugal, ele também faz um pouco de tudo mas a sua preferência reside nos artigos de opinião. Regra geral ele não é comedido nas palavras, porém em vez de optar pela dureza extrema ele opta quase sempre pelo sentido de humor.
Marcio Olival
Advertisements

Também poderás gostar de:

A Gaming Portugal Recomenda

 

Deixe um comentário

Política de Privacidade & Cookies

Este site (tal como todos os outros) utiliza cookies. Ao navegares na Gaming Portugal estarás a consentir a sua utilização.