Artigos PC PS3 Tutoriais / Dicas Xbox 2

Tutoriais: benéficos ou tóxicos para os videojogos?

tutoriais

Lembram-se do tempo em que, para aprendermos os controlos de um jogo, tinhamos de ir ao livrinho de instruções que estava dentro da caixa? Eu também não. Há uns tempos atrás comecei a reparar que esses livrinhos estão a ficar cada vez mais curtos e desprovidos de informação. Há quem diga que isto faz sentido, uma vez que agora a informação que aí estava está a ser transferida para dentro do próprio jogo sob a forma de tutoriais. Faz um bocado de sentido, mas ainda assim acho que preferia ter o livrete do que ter horas e horas de tutoriais.

Na minha opinião, os tutoriais deviam ser sempre, exceto quando incorporados corretamente  na história e dinâmica do jogo, opcionais. Poucas coisas me irritam mais num jogo do que ter de passar meia hora (ou mais, em alguns casos) a fazer tarefas insignificantes para aprender os controlos e funcionamento do jogo. Isto agrava-se quando estou a jogar um jogo que já completei antes, aí os tutoriais tornam-se não apenas um incómodo, mas uma maçada enorme.

Mas, mesmo quando estou a jogar um jogo pela primeira vez, muitas vezes prefiro saltar os tutoriais (quando me deixam) e aprender os controlos sem todas essas facilidades (muitas vezes desnecessárias). Ainda me lembro do gozo que tinha quando pegava num jogo e finalmente percebia como é que determinado aspeto funcionava, sem ajuda de tutoriais e sem recorrer ao manual. Era uma sensação de conquista que, infelizmente, é roubada ao jogador por “developers” que pensam que é preciso passarmos meia hora a aprender o que de outra forma aprenderíamos com alguma experiência e tentativa-e-erro (agora tentam re-introduzir essas conquistas na forma de “achievments” e “trophies”, mas isso é um assunto para outro dia).

Além de retirar esta pequena elevação do ego, os tutoriais acabam também por privar o jogador da curiosidade em relação a algumas partes da mecânica do jogo e, por vezes, limitam o proveito que um jogador tira do jogo. Se, logo no inicio, o jogo me explica detalhadamente como é que eu posso usar este salto acrobático para atingir aquela parede mais alta, é pouco provável que eu vá usar esse salto para tentar chegar a outros sítios (além de paredes altas como aquela que vi no tutorial), e às tantas acabo por perder alguns pormenores do jogo porque aquele salto afinal também dava para outra coisa qualquer que na altura não me ocorreu.

Mas os jogos atuais habituam-me a ter tudo de mão beijada, e às vezes dou por mim a pensar apenas nos moldes que me foram introduzidos no inicio do jogo; dou por mim a abdicar da minha criatividade, simplesmente porque os criadores do jogo assumem que eu não a tenho e que preciso daqueles tutoriais.

Outras vezes, dou por mim a aborrecer-me precocemente do jogo. Acabo o tutorial e penso “okay, é isto que o jogo tem para me oferecer” e ponto final. Não há mistério, não há desafio, não há motivação. Muito mais giro seria se me deixassem aprender o jogo à minha maneira, de forma a que eu me sentisse intelectualmente estimulada. Nos dias de hoje, em que é dada uma enorme ênfase à interação entre jogador e ambiente dentro do jogo, os tutoriais acabam por não fazer muito sentido e podem até limitar essa interação e, a longo prazo, prejudicar o jogador.

Portanto, voltando ao meu ponto inicial: os tutoriais deviam ser opcionais ou, pelo menos, bem incorporados. De preferência ambos. Um bom exemplo de um tutorial opcional e incorporado no jogo (tão bem incorporado que acaba por passar despercebido) é o do Bioshock Infinite: temos o nosso protagonista no inicio a passear por uma espécie de feira carnavalesca onde podemos, se quisermos, aprender a mexer em armas ou usar outros poderes.

Outro exemplo que me ocorre é no Fallout New Vegas, onde percorremos uma pequena parte do tutorial mas é-nos dada a opção de o terminar e ir à nossa vida (ou podemos até nem o iniciar de todo). E, para quem acha que os tutoriais são necessários, basta olhar para a esmagadora maioria dos jogos de há uns anos atrás que não tinham tutoriais extensivos e obrigatórios mas mesmo assim tiveram sucesso e ninguém deixou de os jogar porque ‘era demasiado complicado e não tinha ajuda nenhuma‘.

Ou, melhor ainda, pensem na piada que um jogo como Minecraft perderia se no inicio tivessem alguém a dar-vos meia dúzia de receitas e a explicar formas de nos escondermos dos “mobs”.

Gaming Portugal

Gaming Portugal

Os artigos da Comunidade Gaming Portugal são da autoria de membros da nossa comunidade que optaram por não ser identificados ou de ex-membros que entretanto já não fazem parte da comunidade.
Gaming Portugal
Advertisements

Também poderás gostar de:

A Gaming Portugal Recomenda

 

2 Comentários

  • Responder
    Symbiosys
    29 de Abril de 2013

    Também concordo. Hoje em dia o que não faltam são jogos com loading screen onde apresentam (opcionalmente) dicas para melhorar a jogabilidade. Só isto remove qualquer necessidade de tutorial pois podes estar a jogar e enquanto esperas pelo loading apercebes-te que és capaz de dar um duplo salto e que poderia ser-te útil no nível/mapa anterior para apanhar algum objecto escondido, e assim motiva-te a voltar atrás e explorar.

  • Responder
    Ana Filipa
    29 de Abril de 2013

    100% de acordo. Prefiro que um jogo me pergunde, por exemplo no menu principal, se eu quero aprender os comandos e as funções básicas ou se prefiro começar já a jogar e ir aprendendo por mim própria. Em último caso que o tutorial seja tão bem incorporado que eu nem o note. Quanto ao Minecraft…bem para que´m vai começar a jogá-lo pela primeira vez é capaz de se ver um pouco aflito com a lista enorme de “receitas” possíveis, felismente o nível de dificuldade da jogabilidade é do mais básico possível (dispensando qualquer tipo de tutoriais). Mas como os jogos agora são adquiridos via “online” os tais livrinhos vão se tornando obsoletos.

Deixe um comentário

Política de Privacidade & Cookies

Este site (tal como todos os outros) utiliza cookies. Ao navegares na Gaming Portugal estarás a consentir a sua utilização.

%d bloggers like this: