Notícias PC PS3 Xbox 360

GDC 2012: CD Project Red Diz Não a DRM

GDC 2012: CD Project Red Diz Não a DRM

Nos dias que correm os sistemas de DRM têm dado que falar, de um lado estão aqueles que o defendem e utilizam, do outro temos personalidades como o Gabe Newell ou companhias como a CD Project Red que simplesmente não conseguem encontrar benefícios na sua utilização.

Na GDC o CEO da CD Project Red, foi categórico na sua recusa, segundo ele a companhia não vai voltar a recorrer aos sistemas de DRM porque o objetivo é simplificar e não complicar ainda mais as coisas.

[sws_blockquote_endquote align=”” cite=”Marcin Iwinski, CEO da CD Project Red” quotestyle=”style02″] Nós lançámos o The Witcher 2. Foi crackado em duas horas e o que realmente nos surpreendeu foi que os piratas não usaram a versão do GOG que não estava protegida. Pelo contrário eles agarraram na versão que tinha a proteção, crackaram-na e disseram ‘nós crackamos‘ – entretanto existe uma versão sem segurança que também foi lançada em simultâneo. Seria de pensar que a versão da GOG andaria um pouco por todo o lado, mas não. [/sws_blockquote_endquote]

De facto não é novidade nenhuma, nos últimos anos os gamers têm levantado a sua voz contra os sistemas de DRM porque eles são um incomodo para quem compra jogos originais e porque nem sequer são eficazes. É quase bizarro ver algumas companhias a insistirem em DRM’s quando os seus jogos são crackados com a mesma facilidade de sempre.

Felizmente a CD Project Red fartou-se:

[sws_blockquote_endquote align=”” cite=”Marcin Iwinski, CEO da CD Project Red” quotestyle=”style02″] Os sistemas de DRM não protegem o vosso jogo. Se existirem exemplos de sistemas eficazes, então talvez pudéssemos pensar nisso, mas por agora eles representam demasiadas complicações para os utilizadores que compram os jogos originais. [/sws_blockquote_endquote]

A companhia recusa-se agora a dificultar a vida aos seus clientes, parece estar na hora de encarar mais a pirataria como uma concorrente de mercado do que uma inimiga mortal e enquanto algumas companhias dão um passo em frente para melhorarem, outras continuam a recorrer a sistemas ridículos de DRM que só nos dão dores de cabeça. Talvez com o tempo abram todas os olhos.

Fonte: joystiq

Paulo Figueiredo

O Figueiras é um elemento fundamental do Gaming Portugal e a figura mais respeitada da equipa. A sua vida atarefada e cheia de responsabilidades impede-o de acumular uma posição de maior destaque, embora mesmo se tivesse essa oportunidade o mais certo era ele recusá-la. A sua participação no Gaming Portugal é motivada principalmente pelo gosto por gaming e dá-lhe um prazer especial saber que nesta casa a “independência” é uma característica definidora.

Também poderás gostar de: