Artigos PC

Star Wars: The Old Republic Mais Um MMORPG?

Star Wars: The Old Republic Mais Um MMORPG?

Vamos falar sobre MMORPG’s, desde já confesso que não sou o maior fã do género, mas compreendo a beleza da coisa, jogar num mundo virtual juntamente com milhões de outros jogadores pode ser uma experiência enriquecedora e mais importante, muito divertida. O primeiro GRANDE jogo a captar a atenção dos gamers foi o muito popular World Of Warcraft e diga-se de passagem que passados todos estes anos ele ainda continua a ser a grande referência. Mas dizem as más línguas que o WOW pode ser destronado já este ano e superado por um dos jogos mais antecipados das últimas décadas, o SWTOR ou melhor o Star Wars: The Old Republic.

Vamos recuar alguns anos, este jogo é praticamente uma continuação da saga chamada Star Wars: Knights of the Old Republic composta por dois jogos que fizeram um sucesso estrondoso e são considerados por alguns gamers do melhor que já se viu no mundo dos videojogos. Há algum tempo atrás tudo indicaria que nós estaríamos perante a terceira edição da saga e que seria mais um RPG tal como os seus antecessores. Acertamos em praticamente tudo, mas esquecemo-nos de um elemento fundamental nos dias que correm, o online.

O pessoal da BioWare decidiu que a terceira edição devia ser mítica a uma escala global, com Star Wars: The Old Republic temos um género de versão 3.1, ou seja, é uma terceira edição super-ambiciosa criada com o objectivo de conquistar o seu espaço no mundo dos MMORPG’s e cravar para sempre o nome Star Wars também no universo dos videojogos. Parece que o jogo não poderia estar em melhor mãos, a BioWare que já tinha revolucionado o próprio sistema dos RPG’s com os dois jogos anteriores e que é responsável por verdadeiras pérolas como Dragon Age ou a saga Mass Effect, sabe melhor do que ninguém dar forma a um videojogo espectacular.

Nesta nova aventura a história ocorre cerca de 300 anos depois dos jogos anteriores e 3500 anos antes dos filmes. Com a Lucas Arts seria de esperar que não existissem problemas na história e que ela não “atropelasse” a que já foi contada. Dito isto, a única questão que permanece no ar é: “Mais um MMORPG?“, uma pergunta perfeitamente aceitável e que tem sido repetida por gamers em todo o mundo.

Por um lado não existe tema melhor para um MMO do que Star Wars. Nós estamos a falar de uma história épica que conquistou fãs pelo mundo inteiro e que parece não ter barreiras temporais. O genial trabalho de George Lucas assegurou que a história passasse a fazer parte da sociedade moderna e fosse transmitida de pais para filhos, a coisa pegou e não há jogador de videojogos no mundo que não conheça o nome Star Wars. Esta notoriedade é obviamente uma vantagem, porque se no caso do World Of Warcraft foi a força da inovação que o impulsionou, no de Star Wars eu acredito que não serão introduzidas assim tantas inovações para o podermos apelidar de revolucionário.

Optar por um RPG online partilhado por milhões de utilizadores parece desta forma ser o caminho a seguir, pelo menos não devem faltar pessoas que o queiram jogar. A questão resume-se no entanto ao polémico pay-to-play, um sistema que desagrada muitas pessoas e pode afastar jogadores, como se isso não bastasse também há o problema do tempo despendido num MMO que é maior do que em qualquer outro género, principalmente nos pay-to-play onde nós quase sentimos uma pressão para jogar porque estamos a pagar.

A Sony tentou com o DC Universe Online, outro jogo suportado por uma história que conquistou milhões de fãs ao longo de gerações, mas está mais do que visto que os gamers de consolas não são os maiores consumidores de MMO’s e não gostam de pagar mais do que uma vez por um jogo. Com o Star Wars: The Old Republic a história é outra, estamos a falar de um planeamento e projecção para o PC, a plataforma por excelência para o género.

Os MMO não são sobre gráficos, há quem diga que nem são muito sobre a jogabilidade mas mais sobre a experiência. Um bom MMO possui a capacidade de colocar o jogador naquele mundo e de fazer com que ele se sinta parte da história e a viva com intensidade. Este é de longe o ponto mais forte do World Of Warcraft e a razão pela qual existem milhões de fãs fervorosos que gostam de o jogar.

Não tenho dúvidas que existem condições para o SWTOR ser um sucesso e o que é certo é que a BioWare não teve medo de arriscar, eles podiam muito bem ter apostado numa terceira edição clássica com ideias extraordinárias e criar um dos melhores jogos do ano, mas optaram por ir mais longe e provavelmente vão criar aquele que poderá ser considerado um dos melhores jogos de sempre.

Eu não sou fã de RPG’s online com milhões de jogadores a darem-me cabo da cabeça, mas compreendo o próximo passo dado na saga e tenho confiança de que Star Wars: The Old Republic poderá ser tão épico como muitos esperam que seja. Se o vou jogar ou não? Essa já é outra conversa.

Paulo Figueiredo
O Figueiras é um elemento fundamental do Gaming Portugal e a figura mais respeitada da equipa. A sua vida atarefada e cheia de responsabilidades impede-o de acumular uma posição de maior destaque, embora mesmo se tivesse essa oportunidade o mais certo era ele recusá-la. A sua participação no Gaming Portugal é motivada principalmente pelo gosto por gaming e dá-lhe um prazer especial saber que nesta casa a “independência” é uma característica definidora.

Também poderás gostar de: