Artigos PC

Dishonored: Primeiras Impressões

[toggle title=”Informação Geral Sobre o Jogo”]

NOME DO JOGO: Dishonored

CRIADORES: Arkane Studios

Preço: €34.80 (Gamesplanet versão Steam)

Metacritic PC: 91

Data de lançamento: 12 Outubro 2012
[/toggle]

Dishonored deu que falar nos últimos meses, o FPS com um forte elemento de “stealth” que se inspira em títulos como o Assassin’s Creed ou o Mirror’s Edge está prestes a chegar às lojas e os gamers têm todas as razões para estarem entusiasmados. Dishonored parece ser um excelente título com uma qualidade que há muito não se via no mundo do gaming e pode ser um sério candidato a melhor jogo deste ano.

A ação decorre na cidade industrial de Dunwall que foi criada tendo como referência uma Londres durante a era vitoriana. Nós vestimos a pele de Corvo Attano, um guarda-costas lendário e poderoso que acaba injustamente acusado pelo assassínio da imperadora. Antes de morrer ela pede-lhe que ele proteja a sua filha na qual reside o futuro de Dunwall.

Dishonored-1
Dishonored tem potencial para ser o melhor jogo do ano…

É muito fácil deixarmo-nos envolver pela história desde o primeiro momento em que começamos a jogar e o belíssimo mundo que conta com o dedo mágico de Viktor Antonov (Half Life 2), eleva ainda mais a qualidade da experiência.

Não esperem contudo grandes inovações técnicas, aliás até na jogabilidade não se pode dizer que existe nada revolucionário. O segredo de Dishonored reside na forma como todos os diversos elementos foram conjugados, a jogabilidade é semelhante a qualquer outro FPS, no entanto Corvo possui uma agilidade fora do normal que resulta numa espécie de mistura entre Assassin’s Creed e Mirror’s Edge.

As missões podem também ser abordadas de várias maneiras, podemos utilizar muito o “stealth” e passar a maior parte do tempo sem sequer sermos detetados, ou optar pela ação simples e brutal. Podemos também escolher o caminho não-letal e evitar as mortes, sendo que a forma como jogamos irá reflectir-se no próprio estado das ruas da cidade. Obviamente se eliminarmos todos os inimigos que encontrarmos pela frente haverá uma maior desconfiança e os guardas estarão mais atentos, porém ainda não testei o suficiente o jogo para concluir que de facto a diferença é perceptível.

Dishonored 2
O “stealth” volta a um videojogo com toda a sua glória e nunca foi tão divertido…

A jogabilidade é um sonho, nós temos controle total sobre os movimentos de Corvo, a movimentação em “stealth” é fluída e é fácil eliminar um guarda silenciosamente sem que o alerta seja levantado. Escusado será dizer que o “stealth” volta em grande em Dishonored e em abono da verdade, nunca foi tão divertido.

O combate corpo-a-corpo está igualmente fluído e este é um dos poucos FPS’s em que de facto dá um gosto especial enfrentarmos um inimigo munido apenas de um punhal. Também existem armas de fogo, todavia a maior parte dos gamers estará mais inclinada para a utilização de armas silenciosas como o punhal ou uma pequena besta.

Dishonored-3
As armas são eficazes mas atraem muita atenção…

O grafismo é outro dos elementos que impressiona graças ao fantástico trabalho artístico. O jogo é relativamente exigente neste departamento, mas os computadores de gama média / alta não terão grandes problemas para o correr. Os modelos das personagens não estão maus, com uma nota média para as suas animações que na minha opinião poderiam ser melhores. Felizmente é um pequeno detalhe que não prejudica o jogo, até porque os cenários são capazes de deixar qualquer um boquiaberto e no geral Dishonored é um dos FPS’s, ou melhor, um dos videojogos mais bonitos que andam por aí.

Voltando à jogabilidade, ela mistura também a utilização de armas convencionais com magia, ou seja, Corvo possui habilidades sobrenaturais que recebe no inicio do jogo de uma personagem misteriosa chamada “Outsider“. Essas habilidades vão facilitar-nos a vida especialmente quando um dos nossos objetivos é uma movimentação relativamente camuflada no meio da cidade.

Eu posso afirmar com alguma segurança que Dishonored é o jogo pelo qual todos esperávamos. Desde a sua história envolvente e cuidada, passando pelo seu ambiente único, culminando com a jogabilidade simples e intuitiva, não parecem existir razões para não comprar este jogo. As minhas primeiras impressões são as melhores possíveis e eu mal posso esperar para que vocês coloquem as mãos em cima deste jogo e comecem a desfrutar de toda a sua qualidade.

Diogo Mota

O Diogo é o organizador, todo o conteúdo do website passa de uma forma ou de outra pelas suas mãos, ele certifica-se que os padrões de qualidade são sempre altos e se a Gaming Portugal é hoje uma máquina relativamente bem oleada, isso acontece em grande parte graças ao seu trabalho.

Também poderás gostar de: