Outras fontes para o vídeo: Dailymotion | Twitch
Indie Picks Indie Report Jogos Indie

Indie Pick: COCOON só podia ser genial

COCOON é mais um daqueles jogos especiais que navega a fronteira entre videojogo e uma experiência artística. Dirigido por Jeppe Carlsen, que desenhou “Limbo” e “Inside”, e com um dos conceitos mais originais que nós já vimos em videojogos de puzzles, este jogo só podia ser genial.

Hoje trazemos connosco o genial COCOON, um jogo cuja qualidade é globalmente reconhecida e que foi um dos melhores jogos independentes do ano passado. COCOON é um “indie pick” de peso e mais uma demonstração que o mercado independente de videojogos está cada vez mais forte.

O jogo descreve-se a si próprio como “mundos dentro de mundos” e é uma aventura de resolução de puzzles com uma mecânica de jogo peculiar que permite que a nossa personagem salte entre mundos e utilize essa habilidade para resolver todo o tipo de puzzles.

Polvilhado de originalidade COCOON é um jogo tridimensional suportado por um trabalho gráfico e artístico de grande qualidade. É um jogo com fundamentos muito simples, sem diálogos e que aposta forte na imersão.

Quem conhece o trabalho de Jeppe Carlsen sabe que os seus jogos são todos eles “imersão”. Ou seja, há uma grande preocupação em criar um ambiente envolto em mistério e um esforço consciente para nunca o quebrar. A inexistência de diálogos ou de qualquer tipo de texto em COCOON torna-o interessante desde o primeiro momento e cabe ao jogador ir percebendo o mundo invulgar no qual está inserido.

Joga sem distrações

blank

Se há jogo que merece ser jogado sem distrações ele é sem dúvida COCOON. Por isso mesmo nós recomendamos que ele seja jogado com um “headset” e com muito pouco barulho à volta. É que estamos perante uma experiência que é uma “viagem” ao nível de um Journey.

COCOON é um misto de expressão artística e filosófica sob a forma de um videojogo. Faz-nos pensar na maior parte do tempo na resolução de puzzles, mas também nos leva a questionar várias vezes a razão pela qual estamos a ter todo aquele trabalho.

Que mundo, ou mundos, são estes?

No jogo nós vestimos a pele de um besouro que não é, digamos, o tipo de besouro que nós estamos habituados a ver na vida real. Este tem claramente uma inteligência acima da média, consegue interagir com o ambiente que o rodeia e possui uma habilidade espetacular que lhe permite saltar entre mundos.

É através das suas interações com os mundos pelos quais ele pode viajar, que nós vamos conhecendo o Universo singular do qual ele faz parte. Às vezes, ou melhor, na maior parte das vezes, vamos tentar procurar algum sentido para o que está a acontecer, mas só o final oferece respostas e elas poderão ser, ou não, aquelas de que estamos à espera.

A história vai-nos sendo apresentada com revelações mínimas às quais nós depois tentamos colocar algum contexto. É a arte de contar uma história quase sem a revelar e deixar que os jogadores usem o a sua imaginação para preencherem os vazios.

São muito poucos os videojogos que conseguem proporcionar este nível de imersão e capazes de despertar genuinamente a curiosidade de um jogador, mas COCOON fá-lo com muita mestria.

Saltar entre mundos

blank

A jogabilidade de COCOON limita-se exclusivamente à movimentação e ao botão para interagir com objetos e elementos. E o jogo não perde muito tempo até nos mostrar a mecânica de jogabilidade que define toda a experiência: a habilidade de saltar entre mundos.

O que acontece é que o besouro possui a habilidade de transportar consigo esferas que encerram autênticos mundos no seu interior. Por exemplo, imagina que estavas no Universo e podias pegar num planeta, levá-lo para um local especial e depois proceder a entrar nesse mesmo planeta.

É mais ou menos isso que acontece em COCOON. O besouro pode transportar uma esfera e, em zonas específicas, entrar no interior dessa mesma esfera. Para além de poder entrar na esfera, ele pode levar consigo o que tiver nas mãos e, muitas vezes, ele tem outra esfera nas mãos.

Isso traduzido significa que ele pode colocar mundos dentro uns dos outros e é assim que se resolvem a maior parte dos puzzles neste jogo. Compreender esta mecânica de jogo quando estamos a jogar é infinitamente mais simples do que descrevê-la num artigo.

O que é certo é que, graças a esta habilidade, COCOON tem algumas das resoluções de puzzles mais criativas que nós já vimos no mundo dos videojogos. Inicialmente os puzzles são simples e bastante fáceis de resolver, mas à medida que vamos desbloqueando novos mundos a coisa torna-se complexa e obriga-nos a darmos uso à massa cinzenta.

blank

Talvez para jogadores mais habituados a jogos como o Portal, o nível de dificuldade dos puzzles de COCOON não seja o mais estimulante. Esta é de resto uma das críticas que se pode fazer ao jogo, o nível de dificuldade dos puzzles.

Na nossa experiência pessoal não encontrámos grandes obstáculos na resolução dos puzzles. Com exceção para alguns mais perto do final do jogo, a maioria são resolvidos numa questão de poucos minutos, por vezes até menos.

Esta facilidade encurta a longevidade da experiência, é verdade que não o faz de uma forma dramática para o jogador casual ou para aquele que nunca jogou este género de jogos. Mas no nosso caso terminámos o jogo com a sensação de que não lhe teria feito mal se tivessem aumentado um pouco mais a dificuldade nesta área.

Infelizmente COCOON é uma experiência bastante curta com uma duração média de 5 horas dependendo do jogador. Quem não compreender bem a lógica poderá demorar mais tempo, já quem entender rapidamente as mecânicas é capaz de terminá-lo em menos de 5 horas.

É sem dúvida uma desvantagem que é no entanto mitigada pelo facto de toda a experiência, do principio ao fim, ser de uma qualidade tremenda. São cinco horas é verdade, mas são cinco horas memoráveis!

Um jogo tecnicamente excelente

blank

COCOON pode não ser o jogo perfeito mas deve-lhe ser reconhecido o mérito de ser tecnicamente excelente. A apresentação; o grafismo; o trabalho artístico; a banda sonora; os efeitos de som todos possuem muita qualidade.

Vindo de quem vem nós esperávamos que fosse esse o caso, mesmo assim não deixa de ser surpreendente o que o mercado de videojogos independentes consegue produzir nos nossos dias.

COCOON é sem dúvida uma aventura sublime que não precisa de recorrer a ação caótica, diálogos exagerados ou violência gratuita para sobressair. Não existem muitos jogos assim.

Outras fontes para o vídeo: Dailymotion | Twitch

Gaming Portugal curador steam
Segue-nos na nossa página oficial de curador na Steam. Por lá poderás encontrar todas as nossas sugestões. Desde jogos que nós analisámos, passando por todos os jogos destacados nas nossas rubricas. Não te esqueças também de usares o menu do website para encontrares mais conteúdo ou de realizares uma pesquisa caso procures por conteúdo sobre um jogo específico.

!! COCOON disponível na Humble Store !! !! COCOON disponível na Humble Store !!

Este jogo encontra-se disponível na nossa loja parceira. Se comprares utilizando o botão em baixo estarás a ajudar diretamente a Gaming Portugal e os nossos parceiros.

Para saberes mais visita a nossa página de parcerias.


Última atualização: Abril 1, 2024 às 10:31

blank
Marcio Olival

O Márcio é uma das forças editoriais da Gaming Portugal, ele também faz um pouco de tudo mas a sua preferência reside nos artigos de opinião. Regra geral ele não é comedido nas palavras, porém em vez de optar pela dureza extrema ele prefere quase sempre pelo sentido de humor.

blank
Helder Sousa

Adepto do ar livre e dos desportos radicais, nós nunca sabemos se no próximo fim-de-semana ele não irá longe demais, levando a equipa a ficar com um elemento a menos. Quer dizer, o exercício é uma coisa boa, mas quando isso envolve quedas de grandes alturas ou escaladas perigosas, talvez seja melhor ficar em casa a jogar videojogos.

Subscrever
Notificações de
guest

0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários